O PT sofreu um novo revés em Campina Grande. Pelo quinto turno consecutivo, a votação de um candidato petista a presidente foi menor sobre o seu principal adversário – reflexo da soberania tucana no município. Neste domingo (7), Jair Bolsonaro (PSL), que conta com o apoio do prefeito Romero Rodrigues (PSDB), atingiu 50,61% dos votos contra 20,63% de Fernando Haddad (PT). Ciro Gomes (PDT) teve 19,55%.

Em 2010 e 2014, quando o PT com Dilma Rousseff tinha como principal opositor o PSDB, o cenário negativo foi o mesmo. José Serra (PSDB) bateu a candidata de Lula (PT) no primeiro e segundo turno (43,00% x 27,26%) e (60,21% x 39,79%) respectivamente. Em 2014, Aécio Neves (PSDB) repetiu a dose contra Dilma. No primeiro turno, o tucano alcançou 39,46% contra 32,1%. No segundo turno, nova vitória: 58,02% contra 41,98%. A então presidente, aliás, só perdeu em um município da Paraíba, justamente em Campina Grande.

Se foi o Nordeste quem forçou a disputa de segundo turno entre Bolsonaro e Haddad, com mais uma votação expressiva para o PT, Campina Grande disse não novamente a Lula e companhia.

Comentários: