Contestada pelo prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), a distribuição de vacinas na Paraíba ocorreu de forma correta, segundo relatório da Controladoria Geral da União (CGU).

+ Queiroga, o ministro óleo de peroba

Cunha Lima havia acusado o Governo da Paraíba de enviar ao município de Campina Grande 3.489 doses a menos, suspeita que não foi identificada pela investigação.

“(…) Em que pese terem sido encontradas variações nos percentuais de cobertura vacinal, com base nos dados apresentados pela GEVS/SES/PB, não foram encontradas evidências de que esses municípios tenham sido beneficiados ou prejudicados indevidamente, assim como não foi evidenciada a quebra da proporcionalidade das doses distribuídas no Estado nos casos de envio a maior de doses para outros municípios por arredondamentos.”, apontou Severino de Souza Queiroz, Superintendente da CGU Regional Paraíba.

+ Até outubro no máximo, diz João sobre vacinação em massa na PB; vídeo

A distribuição de vacinas foi mais uma entre outras polêmicas alimentadas pelo prefeito Bruno Cunha Lima na pandemia.

Em março, em confronto ao decreto estadual, o gestor recorreu à Justiça para que Campina Grande não cumprisse as medidas restritivas. O pedido foi negado.

Comentários: