Líder do Republicanos na Câmara dos Deputados, o paraibano Hugo Motta expôs, em entrevista ao blog, que as denúncias de corrupção no governo envolvendo a vacina Covaxin estão causando turbulência na base do presidente. Nesse sábado (26), o questionei sobre a citação ao líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), e o conhecimento de Bolsonaro em relação ao esquema, segundo um servidor do Ministério da Saúde.

“Toda declaração dada nesse sentido traz algum tipo de turbulência. Mas tem que se ver a veracidade das informações e saber se houve por parte das autoridades envolvidas algum tipo de descumprimento daquilo que rege a nossa lei, o caso está sendo analisando, o governo deve apurar, os órgãos de controle, o Ministério Público, e encontrar, se houver, os culpados”, afirmou o parlamentar, que acompanhou a agenda do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em João Pessoa.

Linha de frente do Centrão, Hugo Motta foi cotado para assumir a liderança do governo Bolsonaro após a saída do major Vitor Hugo no meio do ano passado. A escolha estava entre ele, Ricardo Barros (PP-PR), o escolhido, e João Roma (Republicanos-BA), que virou ministro da Cidadania neste ano. Hugo Motta é líder do Republicanos, um dos partidos influentes da base de Jair Bolsonaro no Congresso.

Leia também

» Queiroga evita falar sobre diretor que teria pressionado servidor da Saúde

» Miranda diz que Bolsonaro citou líder do governo ao ouvir denúncia da Covaxin

» Queiroga se faz de doido sobre Ricardo Barros: “Não assisti a CPI”

 

Comentários: