Deu na Folha. Um representante da empresa Davati Medical Supply, vendedora de vacinas, revelou que o diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, cobrou propina de US$ 1 por dose em troca de fechar contrato com o Ministério da Saúde.

No último sábado, em João Pessoa, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, evitou falar sobre Roberto Ferreira Dias.

Luiz Paulo Dominguetti Pereira disse ao jornal que Ferreira Dias cobrou a propina em um jantar no restaurante Vasto, no Brasília Shopping, região central da capital federal, no dia 25 de fevereiro.

Ferreira Dias foi indicado ao cargo pelo líder do governo de Jair Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). Ambos foram envolvidos no escândalo da vacina indiana Covaxin, a qual o governo decidiu somente hoje suspender o contrato.

O governo Bolsonaro começa a empilhar denúncias…

Comentários: