escândalo da vacina

Há 3 dias, Queiroga evitou falar sobre o homem da propina; ouça

Por Maurílio Júnior
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, durante agenda no Palácio da Redenção — Imagem: Maurílio Júnior

Há 3 dias, no Palácio da Redenção, o autor do blog perguntou a Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, sobre o futuro de Roberto Ferreira Dias, diretor de logística do Ministério da Saúde.

Incomodado, Queiroga não quis responder. Naquele momento, só recaia sobre Ferreira Dias a denúncia de um servidor do Ministério da Saúde que disse ter sido pressionado para liberação da licença da vacina indiana Covaxin, a superfaturada.

Hoje, um representante da empresa Davati Medical Supply, vendedora de vacinas, revelou que o diretor de Logística cobrou propina de US$ 1 por dose em troca de fechar contrato com o Ministério da Saúde.

E, agora, Queiroga?

Veja ainda » A propina da vacina: governo Bolsonaro começa a empilhar denúncias

Comentários:
error: Conteúdo Protegido!!