O empresário bolsonarista Carlos Wizard decidiu ficar em silêncio na CPI da Covid-19. Ele é apontado como um dos integrantes do “gabinete paralelo” de aconselhamento a Jair Bolsonaro no enfrentamento à crise sanitária, além da defesa de remédios ineficazes contra a doença e a tese de ‘imunidade de rebanho’. Wizard obteve habeas corpus concedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, para não responder a perguntas que o incriminassem. É o primeiro depoente que se recusa a responder às perguntas. O silêncio grita. 

Comentários: