“É muito dinheiro jogado fora desnecessariamente”. A definição é do deputado paraibano Wilson Santiago (PTB) sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que tenta implementar o voto impresso para as eleições de 2022, que será analisada nesta segunda (05/07) pela Comissão Especial criada na Câmara dos Deputados.

Leia também

+ Daniella é contra voto impresso: “A urna eletrônica é um case de sucesso”

Para Santiago, o momento está conturbado para discussão da proposta. Ao blog, o parlamentar até tentou minimizar, mas lançou dúvidas sobre as reais intenções da matéria.

“Os custos são altos, mas seria um instrumento a mais de segurança no voto do eleitor, mas poderá atrasar a apuração da eleição. Ainda também não sabemos as exigências desse voto impresso. Se for um assunto para engessar as apurações e judicializar ainda mais do que hoje se tem ninguém pode concordar”.

“O momento está muito conturbado e é muito dinheiro para custear o voto impresso. Se fala em dois bilhões de reais para impressão. É muito dinheiro jogado fora desnecessariamente. O momento não é oportuno”, completou.

Comentários: