O representante da Davati Cristiano Carvalho afirmou há pouco à CPI da Covid que o pedido de propina de US$ 1 por dose de vacina partiu do “grupo do Blanco”, em referência ao coronel Marcelo Blanco, agora ex-assessor do Ministério da Saúde.

Questionado se o ex-diretor de logística do Ministério da Saúde Roberto Dias teria pedido propina nas negociações com a Davati, Carvalho disse:

— Não. Mas não se falava de propina. Falava-se de comissionamento. Quem pediu foi o grupo do Blanco.

Davati é a empresa com sede nos Estados Unidos que ofereceu imunizantes contra a Covid-19 ao governo Bolsonaro.

Paraibano assessor de Bolsonaro joga milícia contra jornalista por ato falho de ‘enterrar’ presidente

Comentários: