O lançamento da pré-candidatura do ex-presidente Lula (PT), neste sábado (7), em São Paulo, gerou momentos de tensão sobre quem poderia subir ou não ao palco do evento.

Como noticiamos aqui mais cedo, o ex-governador Ricardo Coutinho (PT) não foi chamado para ocupar uma das cadeiras principais. O petista recebeu a pulseira de cor verde e teve que ficar na pipoca.

O fato causou desconforto no político e na sua esposa Amanda Rodrigues. Isso porque a nata do PT, a exemplo do ex-governador do Ceará, Camilo Santana, teve acesso liberado, mesmo sem cargo, situação semelhante a de Coutinho.

O senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB), pré-candidato a governador, também passou sufoco, mas conseguiu ser premiado com a pulseira VIP, de cor prateada. Enquanto aguardava a solução, Veneziano viu a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) passar próximo, mas não houve cumprimento. Vené votou no chamado “golpe” em 2016.

Com a pulseira no braço, Veneziano teve que sentar na mesma fileira do governador João Azevêdo (PSB), em uma distância mínima. Azevêdo, aliás, saiu logo depois do evento, já com voo de retorno marcado para Paraíba, e não tirou fotos com Lula.

Comentários: