A tatuagem íntima no ‘fiofó’ da cantora Anitta segue causando estragos em todo Brasil. O assunto agora chegou ao Tribunal de Contas do Estado da Paraíba.

Nesta quarta-feira (01), o presidente do órgão, o conselheiro Fernando Catão, fez um alerta aos prefeitos durante o período de festejos juninos.

Catão disse que não faz sentido que um gestor gaste R$ 500 mil reais em obras por ano, mas pague um milhão de reais por um show.

“O São João é uma festa tradicional e deve ser preservado, mas não se justifica gastar neste evento um valor mais alto do que gastos com obras, devemos ter parcimônia”, afirmou.

Com base nessas informações o Tribunal vai emitir um ofício recomendando prefeituras, que revejam essas contratações.

“Vamos trabalhar junto com o Ministério Público no sentido de fazer o gestor refletir sobre gastar um milhão de reais com bandas e shows”, realçou.

Nas últimas semanas, em vários estados do país, o Ministério Público tem partido para uma ofensiva aos shows pagos com dinheiro de prefeituras.

O movimento ocorre após um comentário do cantor sertanejo Zé Neto sobre uma tatuagem íntima da cantora Anitta e de críticas da comunidade sertaneja contra a Lei Rouanet.

Os valores pagos pelas apresentações sertanejas via prefeituras começaram então a ser expostos.

Comentários: